sales@odinmould.com +86-576-81122133
Indústria de plásticos do Brasil começa a se recuperar

Indústria de plásticos do Brasil começa a se recuperar

Mar 27, 2018

Indústria de plásticos do Brasil começa a se recuperar em 2017

De acordo com previsões de associações industriais brasileiras e especialistas do setor, a produção brasileira de plástico aumentará ligeiramente em 2017 e se recuperará lentamente da recessão econômica que suprimiu o consumo nos dois anos anteriores.


A Abiplast (Associação Brasileira da Indústria de Plásticos), principal associação industrial do Brasil, revisou suas expectativas em meados de janeiro e previu que a taxa de crescimento dos plásticos processados em 2017 cairá de 2,15% para 1,3%. A previsão vai mudar à medida que as autoridades do governo prevêem mudanças no PIB de 2017.


José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Plásticos, afirmou que "2017 é um ano estável para a indústria de plásticos, mas alguns empresários estão pessimistas quanto à atividade econômica e esperamos ver sinais de recuperação econômica no segundo semestre do ano". "


"Segundo o governo federal brasileiro e os analistas mais otimistas, o Produto Interno Bruto do Brasil deverá crescer 1% em 2017. Depois que o FMI prevê que a economia brasileira crescerá 0,2% em 2016, a avaliação oficial será no futuro. Pode ser reduzido em algumas semanas ".


Joo Luís Zueda, chefe da consultoria petroquímica Maxiquim, disse que a produção de plásticos no Brasil aumentará de 1,5% para 2% em 2017. Para reabastecer o estoque, ele continuará a crescer até 2018.


Ele disse: "Devido às vendas fracas no setor de varejo, o estoque caiu drasticamente no ano passado. Acredito que 2017 é uma excelente oportunidade para reabastecer o estoque". Ele acrescentou que a indústria de plásticos tem capacidade ociosa suficiente para atender à demanda estimada deste ano. .


De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Plásticos, em São Paulo, o consumo de produtos de plástico fornecidos pelas empresas nacionais e internacionais em 2017 deverá aumentar em 1,8%.


Segundo dados preliminares, o consumo de produtos plásticos no Brasil caiu 6,1% em 2016, para 6,56 milhões de toneladas. De acordo com as estatísticas de emprego, a taxa de emprego também caiu 3,4%, para 314.000 empregos.


De acordo com a ABIMAQ da Associação da Indústria de Máquinas de São Paulo, em 2016, o volume de pedidos da indústria doméstica de máquinas para plásticos no Brasil caiu 15%, enquanto a demanda internacional aumentou em 20%.


Segundo Gino Paulucci, presidente da Abimaq Plastics Machinery and Affiliates, apesar da estimativa de recuperação lenta do consumo, a demanda por máquinas para as empresas brasileiras de plásticos deve aumentar em 25% a partir de 2016, ou 5% a partir de 2015.


"A dinâmica de crescimento em 2017 deverá ser mais forte do que em 2016, porque alguns projetos na indústria de processamento de plásticos atingirão a maturidade este ano", ele também enfatizou que o plano é fazer investimentos de longo prazo no setor de máquinas.


Roriz, da Abiplast, disse que as empresas de plásticos devem rever sua estrutura de negócios em 2017 para torná-las mais eficientes e prontas para atender à recuperação econômica.


Zueda acrescentou que a potencial promoção do protecionismo nos Estados Unidos pode abrir novas relações comerciais para a indústria brasileira de plásticos, e novos mercados (especialmente a Ásia) verão a demanda

0421-7.jpg